"Nós gostamos do que fazemos. Pescar é viver."

 
Pescar e Preservar Imprimir E-mail

 


Piraíba de 2,25m e cerca de150kg pescada por Breno Perillo (ao centro), que precisou da ajuda dos parceiros Dudé (à esquerda) e Lindomar (piloteiro, à direita)

    

Recebi, recentemente por um e-mail de um amigo, a foto (acima) de uma grande Piraíba capturada e solta no rio Araguaia. Comecei a me lembrar de várias capturas relatadas por amigos e clientes nos últimos anos, tornando evidente que o rio Araguaia vem se mostrando muito produtivo e que as restrições impostas pela Agência Ambiental de Goiás, há mais ou menos dez anos, foram totalmente acertadas. Para quem não se lembra, o estado de Goiás tomou naquela época uma postura extremamente corajosa,  proibindo que se matasse peixes.  Ficaram liberados apenas a pesca de subsistência  e o abate de peixes a serem consumidos nos locais de pesca, ou seja: nada de levar peixes para casa.


Algumas espécies que estavam em risco de extinção (Piraíbas, Pirararas, Pirarucus) tiveram totalmente proibido o seu abate, tornando-se assim obrigatória sua soltura. O que pareceu ser o fim da pesca no rio Araguaia tornou-se em pouco tempo sua salvação É claro que, no início essa atitude, foi mal recebida por todos que tinham a pesca como seu sustento, principalmente as pessoas ligadas ao turismo de pesca. Não foram poucos os donos de pousadas que viram seus negócios ameaçados, mas passado o susto inicial em pouco tempo o rio recuperou sua piscosidade. Os pescadores, aqueles que realmente amam a pesca, voltaram para o Araguaia, e aqueles que somente se importam em levar peixes foram procurar outras paragens, o que no fim foi bom para todos, principalmente para o Araguaia, que descansou dessa segunda turma.


Essa atitude também foi adotada pelo estado do Tocantins, colocando restrições ao abate de espécies e redução de cotas de pescado. Outros estados também têm tomado posturas bastante acertadas, criando áreas de proteção como nos rios Teles Pires e São Benedito, que no passado foram vítimas dos garimpos, pesca predatória e outras barbáries, mas que hoje são referência na pesca esportiva e exemplos de como o turismo de pesca pode gerar melhoras para diversos segmentos. A pesca esportiva gera empregos e consumo, melhorando as condições naqueles locais onde as estruturas são implantadas.


Em algumas regiões tradicionalmente ligadas ao turismo de pesca, como os pólos turísticos dos rios Cuiabá e Paraguai, notamos o rápido declínio dos estoques pesqueiros. Cada vez menos procuradas pelos pescadores esportivos, em razão da pouca produtividade, essas regiões parecem estar fechando os olhos para o problema. O turismo de pesca em certas regiões como Corumbá tem um papel importantíssimo para o município e para o estado, e se fazem necessárias atitudes urgentes e imediatas para salvar toda a estrutura montada ao longo dos anos e que corre sérios riscos, se não houver um consenso entre empresários, governo, ONGs  e população. Em um primeiro momento, atitudes como proibição de abate de pescado ou redução de cotas fazem-se necessárias para a recomposição dos estoques pesqueiros, medida que a médio prazo trará melhoras para o turismo de pesca nas regiões dos rios Cuiabá e Paraguai.


No caso de Minas Gerais, a situação é ainda mais grave: o estado ainda não desenvolveu um programa destinado ao fomento da pesca esportiva como um gerador de empregos, renda e consumo, apesar de todo o potencial hídrico de Minas. O turismo da pesca só existe por conta de uns poucos empresários que lutam  para manter seus negócios a duras penas. O nosso Rio São Francisco e seus principais afluentes, que têm um grande potencial para pesca esportiva, sofrem com pesca predatória por parte de profissionais e amadores, além de poluição industrial e esgotos, mas ainda não foram objeto de estudo sobre a viabilidade de implantação de estruturas de pesca. Não foram feitas prospecções de pesca em regiões que poderiam transformar-se a médio prazo em pólos de pesca esportiva, gerando melhorias econômicas e sociais e ainda contribuindo para o desenvolvimento sustentável dessas regiões. Em Minas estão também os rios Grande e Paranaíba, formadores do rio Paraná, além de diversos lagos formados por usinas hidrelétricas e outras sub-bacias de grande importância para pesca, e por abrigarem espécies introduzidas e endêmicas. A vermelha no rio Mucuri, e o pirá no rio São Francisco (sem mencionar o dourado e o surubim, entre outros) são exemplos desta biodiversidade e deste potencial para o qual os governos municipais e estadual têm fechado os olhos, e por isso  nosso estado tem muito pouca representatividade no cenário da pesca esportiva nacional.


Os modelos de exploração sustentável do turismo de pesca estão implantados em diversas regiões do país e são experiências de sucesso em que o homem, em harmonia e com respeito à natureza, consegue viver dignamente. Cabe ao governo e à sociedade civil se unirem com o propósito de fazer com que estas experiências se repitam em nosso estado e que se convertam em melhorias ambientais, sociais e econômicas para todos os que venham a se envolver e comprometer com a pesca esportiva.

 


Após serem pescados, os peixes são soltos.

 

 

(Texto de autoria do Ailton Salgado)

 
 

English Speaking Anglers

You are welcome!

 We can answer your questions in English.
Just write us.
Our e-mail address is: guiasdepescabh@gmail.com
We will be glad to help you in your inquiries about sport fishing in Brazil (freshwater).

Enquete

Pesque-e-Solte: Você é a favor de pescar e soltar o peixe?
 
logomarcas4.gif